sábado, 16 de janeiro de 2016

Echoes: capítulo 8


Fael dava passagem a Arya para dentro da sala de controle. A nave era velha, pequena, e o espaço habitável conteria no máximo oito pessoas, sendo todo o resto reservado para carga. Mas a sala de controle em si tinha sido atualizada, e era capaz de grandes viagens com total capacidade mesmo com carga máxima.

_ Não é muito, mas acho que nos leva até lá.

Arya observou os painéis, não eram muito diferentes dos da nave que o trouxe até a Fronteira, e se pôs a estudar os manuais de navegação. Fael sentou, levantou, andou pra lá e pra cá, saiu da sala, arrumou camas para os dois nos compartimentos habitáveis, pensou novamente na linda ladra de carteira que nunca mais veria na vida, ficou um pouco desapontado, bebeu suco de nanod fresca, ofereceu a Arya, que o ignorou completamente, e se encheu de esperar.

_ E aí? – a impaciência clara e sonora em sua voz.

_ Não é tão complexa. Consigo navegar. – Arya parecia ignorante da irritação de Fael. – Mas, teremos de ser rápidos. Assim que ligarmos a nave, vão saber onde estamos.

_ Então, vamos ser rápidos. Liga aí.

E, exatamente como Arya previu, assim que a nave acendeu, os alarmes da Fronteira começaram a tocar, e em segundos os guardas corriam para cercá-la. Arya acertava o curso e manobrava o mais rápido que podia, mas os guardas se aproximavam cada vez mais, preparando as armas e entoando monotonamente o já velho e conhecido “Vocês estão presos. Saiam da nave e sejam julgados honestamente diante de um júri”. Não ia dar tempo.

E de repente, BUM! O primeiro estrondo desestabilizou os dois garotos, e Fael olhou pelas janelas da sala de controle para o cais da Fronteira, e ele era um mar de fogo, em explosões violentas contínuas que estilhaçavam os guardas de metal em pedaços voando pra todo lado. Os dois pararam tudo, não conseguiam se mover, hipnotizados pelos sons e cores das explosões inexplicáveis, até que uma voz conhecida os despertou.

_ O que estão fazendo?! O cais não vai explodir pra sempre! Anda logo, tira essa nave daqui!

Arya respondeu ao comando e simplesmente manobrou a nave para fora do alcance dos guardas, e das explosões. Em segundos, estavam fora da órbita da Fronteira, e em mais outros tantos segundos, Arya acionou a dobra espacial, e estavam completamente fora do alcance das autoridades da já distante Fronteira Final 1#5.

Fael por sua vez ficou o tempo todo olhando embasbacado a ladra de carteira parada na porta da sala de controle, bem ali na frente dele. Quando Arya se virou para ela também, apenas seu olhar exigia explicações.

_ O quê? – ela perguntou, a diversão em sua voz deixando Fael derretido e Arya irritado. – Não vão me agradecer pelo resgate?


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário