segunda-feira, 10 de junho de 2013

The sun has made a thousand nights for you to hold

Ah, o primeiro álbum do Blackmore’s Night.

Lindo, continua sendo um dos meus preferidos deles.

A primeira música que ouvi da dupla de folk rock formada por Ritchie Blackmore e Candice Night nem foi do Shadow of the Moon, mas este álbum foi o primeiro que ouvi na íntegra.

Eu tinha acabado de descobrir a banda, que pra mim era algo misterioso e difícil de encontrar, quando, eis que depois de uma sessão de cromoterapia encontro o Shadow of the Moon entre os CDs da cromoterapeuta. Puxei a cara de pau bem lá do fundo do meu ser e pedi emprestado. Foi a melhor coisa que eu fiz.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

O fim, quando começa algo novo

A imaginação do Michael Ende é muito bonita.

Quando li A História Sem Fim, foi um daqueles momentos raros e mágicos na vida em que você não está apenas lendo, mas reconhecendo uma história que parece existir dentro de você desde sempre, mas você não sabia.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Conforme a ordem e os costumes do moinho

Krabat.
Li em dois dias.
A história, que parece simples desde o começo, tem um jeito de te amarrar a ela assim como Krabat e os outros meninos estão presos ao moinho de Koselbruch.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

O mundo não é o que você pensa que é

Depois de um longo silêncio, volto ao blog, e para falar de RPG.

Minha jornada com o RPG é antiga, desde 1996 ou 1997, quando eu era adolescente e já sonhava com histórias. Na verdade, já escrevia algumas histórias num caderninho surrado que achei outro dia dentro de uma caixa num armário velho. Desde sempre, sonhando com histórias.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Let’s get some sleep before it ends


Depois de muito tempo no estúdio, muitos ensaios e muita espera, finalmente tenho em mãos o primeiro CD do Chains, que foi Shalla pros chegados durante anos e agora está solto no mundo.
O que dizer sobre a banda? O que dizer desse som que eu conheço há tanto tempo e ouvi mudar tanto até chegar ao que é hoje e foi gravado no compact disc que está rodando agora no meu computador? Não sei se tenho palavras.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Is that the sort of man I am now? Am I rude? Rude and not ginger

*** SPOILERS, como diria River Song. Se você não viu a saga do Doctor 10 até o fim, o risco é todo seu! ***

E eu me vejo obrigada a falar de Doctor Who novamente.
A série realmente me pegou pelos cabelos e não dá mais pra parar. É inacreditável a capacidade dessa série de te deixar insatisfeito, nostálgico e ao mesmo tempo sempre querendo ver mais.
Nine and Ten
O Doctor 10 é incrível, e no começo eu me senti quase uma traidora por gostar tanto dele, afinal, eu tinha acabado de dizer adeus ao Doctor 9, de quem eu ainda sinto falta (já cheguei a rever alguns episódios da 1ª temporada pra matar a saudade). Acho que o Doctor 10 me mostrou mais profundamente qual a sina de um Time Lord. A solidão, o peso da responsabilidade, a tristeza de sempre ter que dizer adeus, tanto para seus companheiros de viagem quanto para si mesmo. Não é à toa que o 9 estava tão triste por ter que partir.

quarta-feira, 13 de março de 2013

O povo do Ártico, com uma mistura de terror e orgulho, chama o fenômeno de... Pó de Diamante!

Os Cavaleiros do Zodíaco foi o meu primeiro anime. Pelo menos o primeiro que eu sabia que era anime (ou passei a saber) enquanto assistia. Eu voltava correndo da escola só pra ver Cavaleiros e tenho quase tudo gravado da Manchete em VHS ainda.
Cavaleiros foi um desenho especial, um começo. Foi mágico.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

The stuff of nightmares reduced to an exhibit. I'm getting old.

Ok.
Doctor Who é uma das séries mais antigas do planeta, já teve milhões de temporadas e pausas na produção, e 11 Doutores diferentes desde 1963 até agora.
Eu sei disso.
Mas pra mim é tudo muito novo, e o primeiro Doutor que eu conheci foi o 9º (Christopher Eccleston). É, eu comecei a assistir Doctor Who apenas agora e só a partir do revival de 2005, depois de anos enrolando um amigo que me recomendou a série.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

I never guess. Yes, you do.



***SPOILER DO FIM DA 2ª TEMPORADA NO FINAL DO TEXTO***


Sim, Sherlock de novo.

Até por que a febre não passa, e ficar vendo fotos da montagem do cenário da 221B Baker Street para a terceira temporada no Twitter não ajuda.

Dessa vez, vou falar de Benedict Cumberbatch e Martin Freeman.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Blooming like winter



Falar de Silverchair é difícil.

Eles foram (sempre serão) uma parte tão grande da minha vida, e tão importante, que é difícil de explicar.

Eu cresci com o crescimento deles, se é que isso faz algum sentido, e as músicas me doem tanto que, apesar de eu amar cada uma delas, raramente consigo escutá-las.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Ah, breathing. Breathing is boring



Sherlock, John and the wall that had it coming
Sim, vou falar sobre Sherlock.

Primeiro achei previsível, depois percebi ser inevitável. Afinal, é por causa dessa série que este blog existe.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Nothing happens to me

Ok.
Olá, ninguém.
Ou talvez, olá alguém que por acaso venha a acessar este cantinho obscuro e solitário da internet.
Como este é o primeiro post desse blog, acho que devo explicar por que raios ele existe: Sherlock Holmes. Ou, mais especificamente, o dr. John Watson.
É, motivo estúpido, eu sei.